quarta-feira, 31 de agosto de 2011

PORTODOCORPO




O porto é corpo.
É cais onde se amarra,
Arte maior que se revela
Na volta da vela.

Na ânsia do teu retorno,
Corro a mão por teu contorno
(como se de cabelos se tratasse!).

O porto é corpo.
O corpo não é porto.

O cais
É mais que o muro que o separa
Mais que a distância
De teus olhos fitando,
Dança e lembrança.

O porto é corpo.
O corpo não é porto.
Por isso, tenho de voltar.


Francisco Settineri.

Um comentário:

Reflexo d'Alma disse...

Que delícia de troca de palavras, soa bem
e leva a mente a imaginar esse jogo
gostoso que os versos
proporcionam.
Poesia alimento da alma...
voce esta me deixando mal acostumada, viu?
Bjins entre sonhos e delírios