terça-feira, 20 de setembro de 2011

Canção de amor – Soneto XIII



Aos rogos da natureza,
Quando a eles não responde,
A alma afunda em si mesma
E de si mesma se esconde.

Pois, morena, corpo e alma,
Luz e sombra, céu e mar,
São só dividido prisma
De uma unidade maior.

Quando digo que te quero,
Não é coisa diferente.
Alegre ao te ver feliz,

Gosto até da madressilva
Que te deixou tão contente:
Sou do amor um aprendiz!


Francisco Settineri.

Nenhum comentário: