sexta-feira, 30 de setembro de 2011

Soneto do Castelo Encantado

                                                                                                                                                          

Saber, enfim, que és terra prometida,
E que tens a paz de alma enamorada,
Torna tão mais fácil uma partida
Que anseia breve retorno à morada.

Eu faço de teu corpo o meu castelo
E parto, na noite, desassombrado,
Pois tenho, nos teus olhos, o mais belo
Farol de todo mar, o mais dourado.

A tua pele é coroada de rosas
E teus seios têm o cheiro do cravo.
Se minhas mãos te invadem, ardorosas,

É porque não sou mais que teu escravo.
Se tremem minhas pernas amorosas,
Me encanto, e junto a ti, torno-me um bravo.

Francisco Settineri.

Nenhum comentário: