quinta-feira, 29 de setembro de 2011

Soneto do Condenado


Prepara-se pra mim mais uma pena,
Ficar de meu amor bem mais distante,
Arder de amar não mais do que um instante,
Buscar, nesse teu mar, vela serena.

Enquanto não amaina essa vaidade
Que te afasta de mim, em outra cena,
Eu aguardo, enfim, com toda a saudade
E bendigo o Sol, que te fez morena.

O coração da mulher é mistério,
E porque traz consigo a indiferença
Pergunta-se o vão tolo, e bem a sério,

O mundo está longe do que ele pensa.
Espero, morena, logo a sentença,
Se é que tens, no mundo, algum critério.

Francisco Settineri.

Nenhum comentário: