quinta-feira, 13 de outubro de 2011

Poema em Liberdade



Só cantarei da vida a alegria
E a paz que ela me deixa, inconteste,
Para não ver senão, em galeria,
Os sons e cores de que se reveste.

Não mais sofrer a rude zombaria,
Nem ter de novo o coração agreste,
Ou viver apenas na fantasia
De que algo, em ti, de amor ainda reste.

E para deixar soltos, em liberdade
Todos os meus pendores mais diversos,
Eis que refeita a lição de humildade.

Clamores da razão, enfim conversos,
Restou só uma pontinha de saudade
Daquela a quem dedicava os meus versos.


Francisco Settineri.

Nenhum comentário: