quinta-feira, 6 de outubro de 2011

Soneto Vagabundo

                                                                     


Quando escrever, que seja como dança,
Na qual se enlaçam, em longos compassos,
O ser mais alegre de uma criança
E a mansa velhice, vincada em traços.

Eu não quero a paz de um amor discreto,
Nem a dolência, na noite enfadada.
Senão, perco a paciência e vou direto
Pro escuro centro da mata encantada,

É sempre interessante ir ao fundo.
Quanto mais cambaleia e mostra a face,
Mais grita pros céus e se abraça ao mundo,

Aí que se aguarda o seu desenlace
De poema de bardo, bem vagabundo:
É sempre um verso novo que em mim nasce...

Francisco Settineri.

Nenhum comentário: