quinta-feira, 10 de novembro de 2011

Soneto do Segredo



De múltiplo corar, linda menina,
De quem eu soube ser o doce amigo,
E mesmo que me sirva de castigo,
Mil lágrimas chorar, a noite ensina.

E um pássaro a voar pela campina,
Em busca de amplo céu e seu abrigo,
Ensina-me a ficar em paz contigo,
Em lua de esplendor que me ilumina...

Mas quando o meu ocaso se avizinha,
Eu bebo a linda voz, risonha e pura,
Enquanto o coração em ti se aninha.

Se o meu amor por ti ninguém censura,
Não quero te deixar jamais sozinha,
É este o meu segredo e a minha jura!

Francisco Settineri.

Um comentário:

Reflexo d'Alma disse...

Saudades de
te ler ,
poeta
querido.
Bjins