domingo, 4 de dezembro de 2011

Melancolia




São as nuvens. Elas me contam de um passado
De pequenez e da distância. No vazio
Esfiapado da memória eu sinto o frio
E minto, frente ao espelho, de estar enlevado...

O manto de um velho fantasma empertigado
Me assusta. E me provoca ao mesmo arrepio
Trazido na noite da infância pelo pio
Da coruja, em agudo véu mal-assombrado!...

Em tristeza, arrebol e no arrebatamento
Da saudade que vaga, inútil, no mistério,
O coração perdido chora num lamento

Coa memória coalhada de cemitério.
Repousa no orvalho o mais simples, vão tormento
A se entregar a seu enredo, em seu império!


Francisco Settineri.

Nenhum comentário: