quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

Soneto da Saudade




Vontade de ficar mais um momento
Na paz que se plantou na vez primeira
Do abraço, que com todo o sentimento
Marcou, de uma só vez, a vida inteira.

Na pele contra pele o mandamento,
Fincado em duro chão, como bandeira
E o claro olhar, no ausente movimento,
Brotou como uma flor, rosa altaneira!

Eu ardo em um amor que não consente
Que eu pense em outra coisa a meu redor,
Se em tua ausência eu me tornei presente,

Saudade me consome em tom maior.
Na brava despedida, a voz não mente,
Eu sonho com teu corpo, em plena dor!...


Francisco Settineri.

Nenhum comentário: