domingo, 11 de março de 2012

Soneto Decidido




Eu canto da amada a moradia
Que se tornou seu corpo por inteiro,
Onde se aninha toda a alegria
E inflama no meu céu o amor primeiro...

Teu manso riso é claro como o dia
E o teu olhar é puro e verdadeiro.
Só sei que antes disso o que eu sentia
Perdeu-se em rara bruma, nevoeiro!

Eu busco-te na vida em cada gesto
E o decidido passo a teu recanto
Embala na garganta o meu protesto

E afina esse meu embargado canto:
Eu ardo nesse tom que manifesto,
E acabo, de uma vez, com esse teu pranto!


Francisco Settineri.

Nenhum comentário: