sábado, 16 de junho de 2012

Soneto da Brandura


Volta, Aneli, para os meus tristes braços
Que murcham na distância de um passado,
Ausente, e até se mostra enevoado
Mas que deixou na pele fundos traços...

Retorna, para os bravos recomeços
Do eterno ardor que surge e brota inflado,
Parece mesmo que se foi o fado
De termos tido, nós, tantos tropeços!

Mas despe, agora, pois, todo esse medo
E livra logo o peito da amargura,
Pois para o meu desejo acordo cedo

E cedo a tua falta me tortura.
Se o meu querer-te bem é um rochedo,
Abraça-me a lembrança com brandura!


Francisco Settineri.

Nenhum comentário: