segunda-feira, 4 de junho de 2012

Soneto Arrebatado



Enlaço com tanta ternura a tua lembrança
Para terçar o afago com calma alegria
E se a saudade carregar tanta agonia
É que eu ficava nos teus braços qual criança...

Se eu te convido hoje, bela, pruma dança,
E se achares que isso não passa de ousadia,
Saiba que ao te ver toda a pele se arrepia
E a um fero mar toda a minha vertigem lança!

Pois eu te entrego o farto verso inebriado,
Inacabado som, de vez que tu partiste...
Se aqui a luz só traz retrato desbotado,

Invento o céu, o mar e a mansa Lua triste:
Tomo de novo esse teu rosto arrebatado,
Pra te lembrar que em minhas mãos a noite insiste!

 
Francisco Settineri.

Nenhum comentário: