domingo, 3 de junho de 2012

Soneto da Estrela Cadente


Agora que o teu corpo silencia
E busca na quietude o esquecimento
Lembro de ti, a cada vão momento,
E rasga-se em meu peito a ventania...

Oh! Amada! Se soubesses que fria
A estrela que caiu do firmamento,
Triste como o revés de um nascimento,
Calar do céu de uma paixão vadia!

Se soubesses como te amo, agora
Os olhos incendiados em suplício,
E o quanto que a minha alma te adora

Assim como te amou, desde o início
Temores já teriam ido embora,
E outro, então, seria o teu silêncio!


Francisco Settineri.

Nenhum comentário: