segunda-feira, 18 de junho de 2012

Soneto de Escárnio



Um bardo tolo, e à beira da penha,
Nem viu na musa o seu grande nariz
Jorrou sonetos, feito um chafariz,
E até hoje na cegueira se empenha!

Julgou-a bela, ao rachar a sua lenha
E não casou-se quase por um triz
Colou beldades na pobre infeliz
Que da burrice era a própria resenha!

Doente estava, em cada pensamento,
Sentia a sede que o amor não aplaca,
Tangeu sua lira, em cada vão lamento

No peito ele cravou a grande estaca!
Mostrou-se, enfim, um severo jumento,
Sequer um verso valia a bruaca...


Francisco Settineri.

Nenhum comentário: