sábado, 18 de agosto de 2012

Quasímodo




Eu busco nessas torres teu vestígio
E o tom em tua voz, que deslumbrada
Vivias na esperança de, amada,
Ser fonte de alegria em meu ofício...

E tinhas no altar do meu prestígio
Soberba fonte, etérea e venerada,
Saída desta face estropiada
Que tua foi amante, desde o início...

Perdido na penumbra o raro anseio
No embalo da saudade, essa trapaça
Que é, dentre os meus males, o mais feio

Eu levo uma lembrança que me abraça
E beijo o novo encanto que não veio
No avesso dessa noite que não passa...


Francisco Settineri.

2 comentários:

Baltazar Gonçalves disse...

Não posso passar sem deixar um vestígio, bonitas palavras distribuídas com sensibilidade. Um abraço.

Francisco Settineri disse...

Muito obrigado, Baltazar!