domingo, 12 de agosto de 2012

Soneto das Primícias



Despede-te da vida antes sofrida
Pois que é chegada a hora da risada,
E quando a noite for, serás amada
No leito em que te mostras destemida...

Mas sempre tens em mim mansa guarida,
Serás o véu da flor que se desnuda
A pele que me vem desamparada,
Que aninho em meio aos lábios desta vida!

Porque tu me mostraste o vero pranto
E eu dei à luz a paz, como um lampejo
E ouvi na dor vivaz não mais que um canto,

Prelúdio do que foi mero desejo:
Sem pejo, eu me devoto ao teu encanto,
Travessa, entre bemóis, eu te solfejo...


Francisco Settineri.

Nenhum comentário: