sexta-feira, 2 de novembro de 2012

Crepúsculo





Um macabro toque roça a mão que mansa
Cava a nua folha e planta o texto infesto,
Osso que retorce e crava ao chão um resto
Mausoléu no qual apenas pó descansa!

E na paz de outrora em que a memória dança
É que eu lanço agora e trôpego detesto
Cancro embalsamado em morte, hediondo incesto
Nesta que se veste em negro manto e avança...

E anda solene e agarra a vida e trança
Por sobre os seus véus, em hálito funesto,
Nós de asfixia e nuvens sem protesto
Quando expira enfim o longo ai que cansa.

Mas a terra guarda como que em fiança
O que já calou e não é mais molesto
E que é incapaz de mover mais um gesto
A não ser dar pasto aos vermes, como usança!


Francisco Settineri.

Um comentário:

Dulce Morais disse...

Estupendo! Como eu adoro ler a sua poesia, Francisco!