terça-feira, 11 de dezembro de 2012

Aventurina



O poeta perde as contas nessas contas
Porque tontas já não podem se contar.
Desvairado, funde-as todas porque há tantas
Que se sabem esquecidas ao luar...

Mas ao mar hoje ele as joga todas juntas
E as perguntas que ele faz tão sem pensar
Jorram muitas nesta flâmula de letras
Que compõe, acerbamente, par em par!

Açoitado, que o poeta não tem cura,
Por espinhos que percorrem o poema
Ele busca no recorte a ventura

De volver antena à raça como tema:
No que vai ser lapidado na mais pura
Dimensão que verte ao ver-se como gema!


Francisco Settineri.

Nenhum comentário: