domingo, 10 de novembro de 2013

Olhos Negros





O poeta lavra a letra, ardente herói

Afasta a lava que te corrói, fervente,

Repara, pois, com teu olho que não mente

O quanto o amor é doce e como dói.



Se versos tristes que te disse a bruma rói

Ela os mastiga calma com seu fero dente

Como viver e ter a dura vida à frente,

Se o soluço cresce e a vida se destrói!



Se a vida um dia te pareceu vazia

Afasto a lava que te corrói, fervente

Só quero a tua mão pura, que sente

O amor livre de tédio e de melancolia.


Francisco Settineri

Um comentário:

Rosa Inês Westphalen disse...

Francisco,

Aguardamos um livro com teus belos poemas ... Quem sabe na próxima
Feira do Livro de Porto Alegre?