sexta-feira, 15 de novembro de 2013

Xadrez sem Estrelas



Cedo o medo sela a cela
onde a curta e parca mesa
já despreza o livro que ali jaz.
Onde não há luz, já não há paz.
Um olhar, um outro olhar,
e o par de lembranças a doçura do lar
a grade o almoço o espelho o jantar
a tristeza lenta te abocanha, meu amigo
bulício da vida no lá-fora que se põe distante
e inúteis pensamentos em sua apagada cor.
mas não há na alma cansada o ressentimento
nessa maldita praga do vai-não-vai
- em que pese a rude e amarga dor -
nem no rosto do teu pai.


Francisco Settineri.

Nenhum comentário: