segunda-feira, 31 de março de 2014

Entrevero



O baile ia lindo na sanfona
E os pares deslizando, apertados.
Foi quando ali chegaram dois soldados
Que estavam acampados na atafona.

Mas eis que, por um tempo, abandona
A moça sobre uns almofadados
Um cabra qu não temia fardados
E um militar pretende que o destrona!

Escondo dos rufiões a voz que resta
E evito, agachado, o tiro dado.
Fugir é o que eu quero, mas sem fresta,

Mantenho, na emoção, sangue gelado;
E o povaréu na luta, entreverado,
Na noite que de medo já se infesta!


Francisco Settineri.

Nenhum comentário: