terça-feira, 25 de março de 2014

Garbo



Voltado ao vão desprezo em noite clara,
Meu corpo esfacelado não tem força
Sequer pra soerguer a fina taça
Que traz dentro de si a gosma amara.

Flechado da ferida que não sara
A grande dor de ser não há quem meça
Eu penso em teu olhar e em tua trança
E a súbita memória me atravessa.

Assim, amiga, quando profetizas
Que és dona de mi'a mente por inteiro
Renasce o denso amor das próprias cinzas.

Pra Eros, vingador, tiro certeiro,
Importam muito pouco as minhas rezas:
Ereto, o andar é sempre passageiro!

Francisco Settineri.

Nenhum comentário: