sexta-feira, 18 de abril de 2014

A Fonte



Eu gosto dessa face iluminada
Que anda devagar em rumo à fonte
Capaz de me abrir um horizonte
Na vida até agora tão gelada!

Aquece a minha vela então parada
Sem rumo, com sua vista para o monte
Inventa a nova vida para a fronte,
Demora-se a visita inesperada!

Os passos ela conta pois que trilha
Caminhos a sorrir, livres de tranca
Mil flores a segui-la com a bilha,

Suspiros do meu peito ela arranca:
Eu gosto desse amor que sempre brilha,
O olhar sempre tranqüilo e a rosa branca!



Francisco Settineri.

Nenhum comentário: