domingo, 20 de abril de 2014

O Doutor



Gente que nasceu pra ser pedante
Nunca me passou pela garganta
Pois asneiras todo dia canta
Sem medo de ser bem redundante.

Vai dizer dinheiro, diz pecúnia
Pensa numa flor e sai petúnia
Brota em sua cachola de doutor
Vá que um dia ganhe um louvor!

Ele é incapaz de um exame,
Sai de sua pluma um certame
Nunca em sua vida uma “inicial”
Pois pespega já “peça portal”

Numa caganeira de palavras
Busca de mansinho um elogio
Mas diante do sábio fecha o pio,
Vai dizer bobagem noutras lavras...


Francisco Settineri.

Nenhum comentário: