sábado, 26 de abril de 2014

Peleia



Foi no andar de cima que amigos conversamos
Mas o desentender-se bateu duplamente
E nada do que houvera impediu que essa mente
Soubesse entender um só clamor dos reclamos!

Chamei à razão do que jamais era fútil
Tanto que argumentei que as nostálgicas brisas
Me eram favoráveis e que as suas rezas
Não trariam de volta a Dama e era inútil

Argumentar uma suposta primazia
De telefonemas na calada da noite,
Da falta que lhe calhava feito um açoite
Do céu que ferido roubava a fantasia.

Na queda que encetou o final das arestas
Nada restou senão uma imensa tontura
Pelos braços do pânico e tremenda amargura
Sentiu cada degrau bater em suas costas...


Francisco Settineri.

Nenhum comentário: