sábado, 31 de maio de 2014

Aliança



O amor imortal que um dia desejamos
Foi o possível naquelas circunstâncias
Cheio de brumas foi, brisas e constâncias
Coberto de flores, camélias e ramos...

Pois o grande amor foi este que inventamos
Ainda que subjugado nas distâncias
Nunca sofreu por uma deselegância
E jamais precisou de qualquer reclamo.

Vem, pois, minha amada, e abraça-me tão forte,
Teus braços percam tuas últimas forças,
O amor encontrou seu derradeiro norte.

E a delícia deste encontro se contorça
E até que um dia nos separe a morte
Dize, amada, que a morte se retorça!

Francisco Settineri.

Nenhum comentário: