terça-feira, 13 de maio de 2014

Reencontro



Eu sonho tanta coisa que não pude
Viver sempre a teu lado e só contigo
Do tempo em que eu fui somente amigo
Embora se notasse amiúde

O quanto viver longe era rude
E o meu ardente olhar era mendigo,
Decerto que viviam num jazigo
Meus versos para ti num ataúde!

De mim a ti o amor sempre foi dado,
Memória que se nutre da energia
Pois nada para sempre é olvidado

Passeio imaginado na ilha grega
O toque, o infortúnio, a alegria
O amor sempre sereno e a nau que chega...

Francisco Settineri.

Nenhum comentário: