segunda-feira, 23 de junho de 2014

Amor secreto



Os meus braços, os teus braços, os abraços
Fazem o coração bater muito forte
Deixam girando puros e simples traços
Que são tão grandes e maiores que a morte.

Importa que a vida nos transforme em laços
E que o enlace nos deixe cada vez mais fortes
E que o vento não balance mais que um maço
Rijo o quanto para suportar o corte!

Pois eu faço versos para ti, pequena
Que nascida na cidade da fronteira
Corpo mais que natural, rosto de Helena

Porque te amo, te amo toda inteira
Dos pés delicados até a melena
De um amor que te faz audaz e primeira!

Francisco Settineri.

Tristeza



Falta ao espinho charme
que se enterre na carne
rosa que se esconde
na bruma
no aroma
do amor oculto
no fundo
da canção

Francisco Settineri.

quarta-feira, 11 de junho de 2014

Sopro



Em cada canto da casa
uma lembrança
que se lança
no fundo da retina triste.
Foi o que vi.
Não se cansam da poeira os trastes.

Francisco Settineri.

segunda-feira, 9 de junho de 2014

Solidão




A lua é lua triste, a lua é morta
Janela do olhar, amarga sina
dos gases que se escondem na retorta
Tem brilho em seu olhar essa menina
E o medo que se esconde atrás da porta...

Francisco Settineri.

quinta-feira, 5 de junho de 2014

Inverno

O amor é uma dança, doce tardança
Que me deixou deitado como um som
Com que me estirou simples como um tom
Velho e tardio como uma vingança!

Pois que me deste, amada, uma confiança
Que fora pura e simples como um dom,
Porém, mais que puro, enfim, foste um bom
Fruto puro e simples da bonança!

O bardo que te ama, indecente
Não tem mais que perdão, nem muito meio
Ainda que este frio, tão de repente,

Se a velha solidão me tem mais cheio
De qualquer coisa que mais me rebente
Avulta no meu corpo o corpo alheio!

Francisco Settineri.