sábado, 14 de março de 2015

Flâmula



Bandeira de um adeus que mais se agita
No desmazelo azul da luz que vela
E a dor imaculada era singela
Espuma que o céu cospe e o mar vomita!

Palavras ecoadas, mão aflita
Na busca do esquecido na janela
E o lenço encarnado que era dela
Puiu-se no calor que ao toque incita...

Destapas sem pensar o colo ardente
E o véu que te cobriu não permanece
Por mais do que a luxúria inebriante

Que basta pra mortalha que se tece:
És mais do que infernal, inda que ausente
Pois roubas toda a paz e a noite desce!


Francisco Settineri.

Nenhum comentário: