sábado, 14 de novembro de 2015

Bálsamo


No albor dessa distância dos mares
Tão sensitivo, feito de esperança e a um tempo temor
O poeta augura o pó do caminho das estrelas
Via láctea como um leito linho esplendor
Que se demora austero como a passagem das horas.

Porque ninguém te amará como eu, sereno nas madrugadas frias
E ouvirá as sereias e cobiçará agarrar-se a teus cabelos
No desespero assombrado da noite grande e coalhada de orvalho

Teus olhos brilham como esferas líquidas e solitárias.
Elas nunca, nunca, cicatrizam,
Em seu negrume brilhante, armado de dor.

Mas minhas mãos, em teu silêncio, farão com que murchem os espinhos dos cardos
Que conheci bem antes de construirmos de mãos dadas o ansiado ninho.

E haverá aves tétricas gritando, tenebrosos pesadelos no mar,
Ilhas mortas de perigos horrendos e rochas sem vida
Até que venham nítidas e flamantes as cores da manhã.


Francisco Settineri