sábado, 16 de julho de 2016

Mácula




Não deixe que se esqueça o olho antigo
Atenta com frescor e sua brancura,
Ampara como pode o ombro amigo.

Da árvore que colhe doce figo
Aprenda o manancial e a formosura,
Não deixe que se esqueça o olho antigo

A mágoa ao coração é um perigo
E mesmo o justo peca em sua loucura,
Ampara como pode o ombro amigo.

Argila um dia eu fui e hoje sigo
E falho ao me infligir grave tortura
Não deixe que se esqueça o olho antigo.

Perdão é tudo aquilo que persigo
E digo, irmão, que siga na procura,
Ampara como pode o ombro amigo!

Não leve o rancor de um inimigo
Que nunca o acompanhe à sepultura,
Não deixe que se esqueça o olho antigo
Ampara como pode o ombro amigo!


Francisco Settineri.

Nenhum comentário: