sábado, 27 de agosto de 2016

Doce Veneno




Assim como um milagre em plena mata
Eu quero ver teu pelo assim sereno,
Na primavera em flor é tão ameno
O pleno que tuas mãos estão à cata...

Vens toda para mim, e a musa acata
Que eu cante aqui teu corpo tão moreno
E beba de um só gole esse veneno
Da bela que pra mim é uma cicuta!

A corça que comove a quem a cace
Impede a dor, a fúria que se exalta
E as lágrimas que escorrem pela face

Salgadas, são o mantra da tua falta.
O sonho que morreu não há quem lace
E ao ver-te assim tão nua a sede assalta!


Francisco Settineri.

Um comentário:

Reflexos Espelhando Espalhando Amig disse...

Ual!
Saudade daqui
e de ler você.
Bjins
Catiaho Alc.