sexta-feira, 2 de janeiro de 2015

Afago



Amo-te ébrio, e de um amor crescente
Que se dá todo e sempre com vontade,
E desse amor o mais que houver, restante,
Vou te querer, com mais intensidade.


Amo-te tonto, feito uma vertente,
Que o meu amor é sempre sem vaidade,
Se de esperar eu quero uma semente,
Irei além, com mais diversidade.


Se nesta vida me tornei errante
Agora sigo, impenitente e mudo
E amo calmo, vário, em cada instante


Coisas de ti, que a cada dia estudo
Hoje eu só quero ser teu mais amante
Arrependido, se não te amei tudo.



Francisco Settineri.

Nenhum comentário: