terça-feira, 21 de julho de 2015

Autópsia




minhas palavras 
não querem mais significar 
jazem inúteis
pela praça

como palcos noturnos
fraturados de solidão
como uvas esmagadas
na sarjeta

palavras
deixadas de lado
como teu coração
que me esqueceste! 


Francisco Settineri.

quarta-feira, 15 de julho de 2015

Mãos dadas




Eu lembro mais de ti quando entardece
Pois que era quando a tarde, a luz dormia
E foi que junto a mim tu já descias
Em corpo adivinhado junto à prece.

Serena, o quanto a lágrima parece,
Pois foste ao coração a tirania
Me deste o braço e tanta era a alegria
Que muito eu precisava e a noite tece!

Eu hoje só queria pela rua
Sonhar que tu eras minha namorada,
A rosa era escarlate e era só tua

Na tarde que esperava, demorada.
Brilhava o rosto teu, e me era dada
A espera de nós dois, que era tão nua...


Francisco Settineri.