terça-feira, 30 de agosto de 2011

Soneto de pé quebrado

                                                                                                                                                                                              


O pulsar do coração, claro dilema,
Vai mais rápido na direção
Do mais íntimo do problema.
Em ti, morena, nunca é afável

A ternura, indecifrável, e o
Tremor que contracena.
Logo penso em teu abraço,
Em profundo descompasso,

Em despedida, encontro e aceno.
E mais se agranda tua falta,  
em fé intermitente e infinda.

Ponho freio em meu abismo:
Com métrica indecifrável,
Confiável, o verso tece o poema.


Francisco Settineri.

Um comentário:

Reflexo d'Alma disse...

Sinto ritmo em seus versos...
isso pra mim é muito importante em poesia.

A ternura, indecifrável, e o
Tremor que contracena.
Logo penso em teu abraço,
Em profundo descompasso,

Aqui lembrou Drummond e Bandeira. rsrs

mas sabe o que é melhor?
é voce Francisco,
voce é o poeta em questão.
Bjins