sábado, 7 de janeiro de 2012

Soneto de Amar Demais



Na saudade que é só tua, meus reclamos
Evocados na alva noite os nossos brilhos,
Pois mais doce que a lembrança dos teus olhos
É o carinho dos embates que travamos.

Mas os astros desta noite foram amos
E não fomos, ao luar, mais que seus filhos,
Se o ferrenho vento audaz sacode os ramos,
Nós dançamos nestes mesmos estribilhos.

E bailamos, nesta mata, lado a lado
E sentimos o sabor de estar contente
Pois formamos um só par, bem constelado

E bebemos da água pura na vertente
Pois o nosso amor pra sempre nunca é fado,
É alegria, quando o outro está presente!



Francisco Settineri.

Nenhum comentário: