terça-feira, 13 de setembro de 2011

Canção de amor – Soneto I

                                                           
Dentro de mim tua lembrança
Acalentada em ardor,
Tece um breve improviso,
Minueto sem aviso

Numa doce epifania.
Teu rosto, morena, envia
Flores lindas para o céu,
Em mel, canto e travessia.

Fugiu a noite e o dia
Nasceu alvo, claro e calmo
Em requintes de pudor.

Livre de sombra e de dor,
Por detrás desse sorriso
Em alegria furta-cor!

Francisco Settineri.

3 comentários:

Reflexo d'Alma disse...

Que leveza...
Bom chegar do trabalho e ler você assim tão
in
pi
ra
do...
"Numa doce epifania."
lindo...
Bjins entre sonhos e delírios

OZNA-OZNA disse...

gracias dulce poeta por anegar nuestra alma de tan sublime esencia, besinos de esta amiga admiradora.

Francisco Settineri disse...

Obrigado, caras comentadoras. Desde já, aviso que se trata de um rosário de sonetos, em que cada um começa com o fecho do anterior, e assim por diante, até que o décimo quarto começa com o fecho do décimo terceiro, e termina com o primeiro do primeiro. Exercício de forma. Eles devem ser lidos do I ao XIV, em ordem. Depois, postarei o poema inteiro.