quinta-feira, 1 de setembro de 2011

Imperdoável




Como perdoar-te, menina.
Se tua arte em versos
Me domina, e em lâminas
Afiadas me descortina?

Perdoar-te como, poeta?
Se teu verso me ilumina
E é pura descoberta?
Como, então, perdoar-te

Se o que lavras não é
Terra, mas palavras?
Tua lira, muda, ecoa.

Ave que no céu revoa
No ar do mundo sem fé,
Mas no qual te salvas.



Francisco Settineri.

Um comentário:

Reflexo d'Alma disse...

Falou certissimo: Como perdoar?

"Perdoar-te como, poeta?
Se teu verso me ilumina
E é pura descoberta?
Como, então, perdoar-te"

Tudo que escreve tem beleza e delicadeza.

Que bom esse nosso reencontro, tem me feito muito bem.

Bjins entre sonhos e delírios