sexta-feira, 13 de janeiro de 2012

Noturno


No silêncio da penumbra
Silhuetas vislumbradas
Uma mão corre na sombra
Em carícias compassadas!

Inda espero que se abra
Tua face doce e amada
E nenhum ruído quebra
Tua efígie que é de fada...

Correm versos sonolentos
Numa voz de acalanto
O cabelo solto aos ventos

Cai a noite e seu manto
Lentos, calmos movimentos,
Uma estrela acalma o pranto...



Francisco Settineri.

2 comentários:

pedrinha disse...

LINDA POESIA!!! AMEI!

Suziley disse...

Poesia com amor, com paixão, parabéns!! Bom dia, bom final de semana! :)