segunda-feira, 20 de janeiro de 2014

Prisão




Sentença, que contém a vida toda,
Maldiz a juventude desviada,
Afasta aquela perna bem torneada
Do alcance puro e simples de uma boda!

Do mais tristonho escrito de uma poda
Nas presas de uma cela, enlaçada,
Se vai a juventude, apertada
Pra trás, em vez pra frente, uma roda!

Que procuro, no fundo desta mala
Que mais peço, abscôndita fé?
Pode ser sonho, mas então cabala,

Pode ser tua mão ou antes teu pé
A vida que acaba numa bala
E a morte, terminada em parte ré!


Francisco Settineri

Nenhum comentário: