domingo, 17 de junho de 2012

Soneto Irrequieto



Perdoa se sou um louco enamorado
E se a teus pés seguido me apresento,
Mas é que me fazes perder o tento
E amar demais, de amor enlouquecido...

Porque se o verso é um buquê florido,
São todos pra ti, sem nenhum lamento,
Pois que te ver sempre foi um portento
E lembro, sim, cada beijo roubado!

Afago na lembrança os carinhos,
Nos meus versos, calado te desenho:
Vertente de calor de tantos ninhos,

Que busco refazer com tanto empenho.
Devia, antes, retirar espinhos,
Mas irrequieto eu pouco me contenho...


Francisco Settineri.

Um comentário:

GUI disse...

Um lindo Poema Francisco.
Parabéns!
Abraço. Gui.