quarta-feira, 5 de outubro de 2011

Amor-perfeito

                                                                   


Disseste-me, em sorriso contrafeito,
Querer pra ti somente o amor-perfeito.
Rebato, defendendo a cidadela,
A verdade que sempre em mim apela.

Qualquer que seja o amor, sempre é direito,
E dono de uma graça tão singela,
Que, mesmo que pudesse ser refeito,
Já valeria o véu e a capela.

Aguardo, a descansar em nosso leito,
Esperando por ti, morena bela,
Amante dos encantos de teu jeito.

E falo, com um cravo na lapela:
Quem há de rejeitar o amor perfeito,
O beijo e uma graça de donzela?

Francisco Settineri.

Um comentário:

Reflexo d'Alma disse...

Ai ai....leio
sus
pi
ran
do
entre sonhos e delirios