segunda-feira, 10 de outubro de 2011

A Descoberta

                                                                     


Eu fui, morena, o teu descobrimento,
A nau que se abraçou em teu mistério,
E nunca mais me sais do pensamento,
Erguida, para mim, como um império.

Bendigo nesse céu que trouxe o vento
O claro olhar que leva à terra à vista,
Beleza que só espalha sentimento,
Que trouxe a mim o dom que me conquista.

E foi porque te achei, à beira-mar
Envolta em tantos sonhos e quimeras
Que logo amei primeiro, ao preamar,

Mulher que nem sabias que tu eras.
Mas foi, antes de tudo, ao te mostrar
Um coração, guardado de outras eras...


Francisco Settineri.

3 comentários:

METAMORFOSES disse...

Parabéns. Um poema excelente em vários aspectos.
Descobrir A Descoberta é não tirá-lo do pensamento!
Abraços

Ângelo

MARES E LUARES disse...

Lindo Descobrimento!!!!

Kiro Menezes disse...

Na pele, o delicado beijar do sereno. És poesia silenciosa que penetra as janelas da alma para aninhar-se nos cabelos da morena!