sábado, 1 de outubro de 2011

Soneto da Lua Crescente



Mal sabes o que em ti nasceu, enfim,
Na madrugada de nossos embates,
Não consegues imaginar, por fim,
O que ficou em ti desses combates.

Nas noites em que foste, à luz da lua
Capturada, até o fim, em meus laços,
Como frágil gazela, bela e nua,
Foi porque te tomei toda nos braços.

Seria vão, se só tu me deixasses
Louco de dor, sozinho a naufragar.
É como se minhas velas queimasses

E eu fosse deixado no preamar:
Se tens medo de amar é porque nasces
Pro amor em plena cor de tanto mar!

Francisco Settineri.

6 comentários:

J.NavegadoR disse...

Lindo...Parabens amigo Poeta...Aqui tudo é belo.....

Francisco Settineri disse...

Obrigado pela visita, e pelo generoso elogio, poeta!

poemasemfoco disse...

Beleza! O medo de amar já é o nascer para o amor. Não só nascer, mas o crescer! Belo soneto, poeta! Parabéns!

METAMORFOSES disse...

um poema muito inspirado. parabéns.

Ângelo

iriagotti disse...

Lindas poesias poeta! parabéns e que Deus conserve seu talento !

Reflexo d'Alma disse...

Saudades daqui.
Mas comentar vai ficar
repetitivo
pq adoro seus escritos.
Bjins