quarta-feira, 5 de outubro de 2011

Soneto do Desejo

 
Pois se hás de vir vestida em flores, vem.
Não esperes vir da noite o teu desejo,
Recolhe de teu rosto o que detém
Teu seio em fúria brava, em puro pejo.
O amor nunca está pronto e é sombrio
O vento que o desfaça neste inverno.
Melhor sentir na pele o arrepio
De um corpo audaz, a não temer inferno,

E sempre pronto a dar o seu revide.
Tremores em tua alma, eis que tenham
Em tua pele nua a lida e a lide.

Acorda pr’esses laços que despenham
E o que, em tudo o mais, em vão colide,
Que o porto, o céu e o mar não te contenham.

Francisco Settineri.

Um comentário:

Carmem disse...

Francisco...
Gostei bastante do teu blog e dos teus poemas....
Vou ser tua seguidora para te ler sempre...
Espero tua visita tbm nos meus blogs...
Um abraço..